Momentos de D&D – “Hither came The Kraken”

Com os entusiastas, venho partilhar mais um pequeno episódio memorável de D&D. 

Estando o grupo em nível oito (D&D 3.5), Jack (um rogue extremamente político) estabelece na cidade o seu “Jack’s Emporium”, para assim começar a sua rede de influências nas cidades dos Silver Marches (a campanha decorre em Forgotten Realms).Situada à beira de um rio, e muito longe do mar, a cidade é atacada por um Kraken – criatura “gargantuanesca”. A batalha desenrola-se, e quando o Kraken é morto, Jack está caído na água, e é arrastado para o fundo do rio com o Kraken, ficando preso no fundo, debaixo da criatura. Dois dos seus companheiros tentam nadar na água agitada do rio, mas não conseguem, por causa do remoinho e da sucção causada pela descida do monstro. Começam a ficar algo apreensivos, até que a druida se lembra de usar um dos seus feitiços (Control Water) para sugar uma coluna de água para cima. E assim, num jacto, um turbilhão leva a que o corpo do Kraken, e dos desgraçados que estavam na água, seja projectado para o meio da praça central (um deles conseguiu agarrar-se à âncora de um navio e evitar ser projectado). E então, temos uma criatura “gargantuanesca” a voar numa coluna de água e a esparramar-se na praça central, enquanto o cozinheiro anão, com o charuto ao canto da boca, sorri e comenta: “Temos salada de polvo para o jantar...”

Pelas regras, seria muito difícil o feitiço sugar uma criatura tão imensa como um Kraken, mas uma das lições que aprendi como DM ao longo do tempo foi a “Rule of Cool”, que nos deixa fechar os olhos às regras sempre que os jogadores conseguirem uma solução criativa e que dê um “espectáculo cinemático”. 

Outra parte engraçada foi ver Jack a entrar na boca do gigantesco Kraken, para lhe retirar a glândula que produz a tinta que ele pode cuspir, com o intuito de a vender. E porque é que Jack fez isto? Tal como eu disse, ele é um rogue altamente diplomático, falinhas mansas, anda sempre muito arranjado, e tem um chapéu com uma gigantesca pena. Como eu estava constantemente a atormentá-lo, fazendo-o perder o chapéu, e sujando-o com lama, ele gastou 3200 GP para colocar um feitiço na pena (uma espécie de “mending”) que faz com que ele esteja sempre impecavelmente limpo, independentemente da situação. Assim, temos um tipo muito bem vestido, com um chapéu ostentando uma gigantesca pena, a desaparecer na bocarra de um Kraken, e a regressar cinco minutos mais tarde, impecavelmente “shiny”!