Mestres-Jogo Anónimos

Quanta gente é que mestra por aqui?
Ou gostava de mestrar?
Este é o primeiro post, por isso servirá para o pessoal dizer olá e mais qualquer coisa que lhe apeteça.
Contem-nos coisas.

Opções de visualização dos comentários

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Gravar configuração" para activar as suas alterações.

"Self-serving GM here..."

O meu nome é João Mariano, e já sou mestre de jogo infrequentemente há uns 10/15 anos. È algo que gosto de fazer e desde que o fui pela primeira vez algo me mordeu: passei a questionar-me sempre enquanto jogador "Como é que raio eu correria esta cena?"

Tenho corrido jogos da White Wolf, alguns "indies" e tal...

Tenho um grande problema em desenvolver trabalho de preparação de sessões e em descortinar enredos e NPCs para as histórias. Por isso de há um tempo para cá deixo os jogadores fazerem personagens com um foco que as une e depois usa essa informação para fazer alvos onde os atingir com situações e outros personagens. Ou seja sou um GM preguiçoso que não gosta de estar em controle! :)

De qualquer modo sejam bemvindos! ;)

P.S.: Boa iniciativa, Rick Danger!

"Se alguma vez sou coerente, é apenas como incoerência saída da incoerência." Fernando Pessoa

sopadorpg.wordpress.com - Um roleplayer entre Setúbal e Almeirim
Ludonautas Podcast - Viajando, sem nos movermos, pelos mundos do RPG

em que posso ajudar

Olá! O meu nome é Ricardo e sou mestre-jogo :)

Mestro desde por volta de 1994 e sempre tenho mestrado - mais do que jogado - algo que gosto muito de fazer, especialmente quando corre bem.

Eu não diria que sou preguiçoso, mas - tendo em conta a quantidade de coisas que regularmente mestro - seria para mim impossível preparar tradicionalmente todas as sessões. Tal como o jrmariano, prefiro ceder o máximo de controlo possível aos jogadores. Além disso, também gosto de improvisar, algo que se foi tornando mais fácil de fazer com a experiência, mas que é sempre um desafio.

Aquilo de que sinto falta principalmente é jogar mais. Divirto-me tanto como mestre ou jogador e acho que mudar de ponto de vista regularmente é bom. Como jogo pouco, acho que tenho dificuldades em ver as coisas pelo lado dos jogadores.

Pessoalmente, fundei este grupo para haver mais MJs a ver se jogo alguma coisa :) e também porque acredito sinceramente que são os heróis do hobby e que merecem ser apoiados.

Quero também picar aquele pessoal que está à espera da altura, que um dia virá, em que irão talvez mestrar, para começarem hoje! Este grupo é dedicado a vocês.

P.S.: Obrigado, João! Quando reunirmos aqui algum pessoal, talvez queiras põr o teu primeiro post sobre dificuldades na preparação de histórias/NPCs e falarmos mais sobre isso. 

Boas, O meu nome é Fernando

Boas,

O meu nome é Fernando Santos e sou DM de Dungeons & Dragons. Dificuldades principais é a falta de tempo para preparar sessões!
E a falta de tempo para ter mais sessões! Ou experimentar ser GM de outra coisa.

GM

Meu nome é João Marum, 32 anos, mestro à quase 20 anos.

Comecei desde pequeno com AD&D 1st e tomei-lhe o gosto. Já mestrei desde Kult a Call of Cthulhu a Street Fighter RPG a Earthdawn a Paranoia a GURPS, e agora mestro Conan. No futuro vou mestrar Warhammer 40000 RPG também.

Nunca fui jogador, nunca me atraiu. Há quem diga que isso é uma desvantagem, para mim não me faz diferença.

Eu amo mestrar, é um desafio de inteligência e imaginação como nenhum outro. Neste aspecto sou um bocado como o Sherlock Holmes que tomava cocaina para estimular o cérebro, não podia com as partes paradas da vida que não lhe causavam desafio intelectual. O mesmo é comigo com RPGs e boardgames, são um desafio que quebram duma boa maneira o tédio rotineiro da vida.

Já introduzi muitas pessoas à vida de RPGs e boardgames. Dos meus grupos já nasceram pelo menos uns 5 GMs que organizaram grupos. Isso faz-me sentir útil em relação a espalhar a boa palavra dos RPGs pelo mundo.

A minha filosofia sobre sistemas de RPG é simples, não existe o sistema perfeito, existem vários sistemas que têm as suas vantagens e desvantagens, mas nada é perfeito.

Desde que tenha RPGs e boardgames, serei feliz. :D

----
Hither came Conan, the Cimmerian, black-haired, sullen-eyed, sword in hand, a thief, a reaver, a slayer, with gigantic melancholies and gigantic mirth, to tread the jeweled thrones of the Earth under his sandaled feet.

---- Behold the pain and sorrow of the world, Dream of a place away from this nightmare. Give us love and unity, under the heart of night. O Death, come near us, and give us life!

Já jogo à 5/6 anos mas

Já jogo à 5/6 anos mas só no último ano tenho feito alguma coisas coisas como GM.

Comecei com uma pequena sessão de Vampire, The Masquerade via messenger, depois de uma conversa animada com outro jogador sobre momentos engrançados que já nos tinham acontecido em sessões de RPG. Essa pequena sessão chegou depois a originar uma continuação numa one-shot com mais dois jogadores.

Depois disso tenho corrido outras coisas mas, infelizmente, a mais duradoura foi uma campanha de The Shadow Of Yesterday - Há Víboras no Pântano - que acabou ao fim de 5 sessões, devido a incompatibilidades horárias.

Das minhas parcas experiências aprendi algumas coisas:

1) Não gosto de ter trabalho hehe;

2) Devido ao 1) costumo reger-me por um trabalho bi-partido. Como o JR pode explicar melhor do que eu, uma história divide-se em 3 fases: situação inicial, aplicação de uma força externa, resolução das consequências.

A primeira fase é tratada pelo grupo de jogo em conjunto, que involve criações de PCs, Universo, tema do jogo, etc. - acho que é de crucial importância que este trabalho seja feito em conjunto em vês de ser cada um para seu lado, se há coisa que nunca farei numa campanha é "juntar a party" e "ter a certeza que estão todos a dar-se bem", assuntos internos da party é entre os jogadores, não tenho nada a ver com isso.

A segunda fase é mais da responsabilidade do GM - com a devida ajuda dos outros jogadores -, introduzindo adversidades, conflitos, problemas, os eventos que fazem os jogadores disparar e ter que agir sobre algo.

A terceira fase é do lado dos jogadores, eu ponho os problemas eles que arranjem as respostas, é apartir das reacções e das respostas que os jogadores usam para resolver os problemas que eu depois vou iterativamente aprendendo para aprender o que é que eles gostam mais ou menos e tento assim ir gerando mais problemas e desafios mais apontados para os seus gostos e interesses.

3) Também derivado do ponto 1) perco muito pouco tempo a preparar sessões - o que pode ser mau - e faço quase tudo de improviso. Normalmente tento pensar "Qual é a pior coisa que pode acontecer agora, tendo em conta o contexto da história?" e desenvolvo dai para a frente hehe.

Há duas ferramentas que acho importantíssimas para poder correr sessões desta maneira:

- Kickers;
- Uma folha com bullets de informações importantes para os PCs dos jogadores, no caso da mecânica de jogo não involver Issues ou Keys.

 

Bem, esta apresentação ficou maior do que estava à espera hehe. Em breve irei começar a correr uma campanha de D&D 3.5 em Dark Sun - outra novidade para mim, tanto o setting como o sistema - e ando cada vez com mais vontade de fazer algo em Vampire, The Masquerade.

"the drunks of the Red-Piss Legion refuse to be vanquished"

Reparei agora que escrevi

Reparei agora que escrevi uma coisa que expliquei mal:

RedPissLegion escreveu:
eventos que fazem os jogadores disparar e ter que agir sobre algo

Normalmente só faço isto em último caso, prefiro sempre que os jogadores já tenham ideias do que querem fazer e o caminho que querem seguir, assim só tenho que pensar nos entraves todos para lhes meter à frente e posso tomar uma postura mais reactiva às suas acções, que é a maneira que gosto mais de estar nas sessões.

"the drunks of the Red-Piss Legion refuse to be vanquished"

sejam todos benvindos

A principal preocupação para já parece ser a preparação de sessões/campanhas e a falta de tempo em geral. Será este provavelmente o nosso primeiro tópico, quem quiser pode já criá-lo. Outros tópicos que foram referidos: o grau de controlo dos jogadores sobre a sessão, as possibilidades de improvisar e as maneiras de estruturar uma história.

A média de experiência neste grupo parece andar pelos 10 anos, com o Red a fazer-nos sentir velhos :) Não falta conhecimento para partilhar.

Destaque para o MGBM que está em riscos de se tornar o nosso guru ;)
Queres falar-nos de alguma possível dificuldade tua?

Entretanto, há alguém que tenha espreitado este grupo e que ainda não mestre, mas esteja a pensar começar? Falem-nos de vocês e das vossas dificuldades.

GM

Rick Danger escreveu:

Destaque para o MGBM que está em riscos de se tornar o nosso guru ;)
Queres falar-nos de alguma possível dificuldade tua?

Não sou nada um guru. :D

Bem, dificuldades não tenho muitas. Só de vez em quando inventar sobre a estória principal duma sessão.

O meu estilo de GM evolui para puro improviso. Penso um pouco sobre o que vai ser o tema da sessão, e a partir dai improviso durante 4 a 8 horas de seguida. É raro eu fazer planos mais complexos antes duma sessão, descobri que sou bom a improvisar e que a improvisar os PCs têm mais hipóteses de brilhar.

----
Hither came Conan, the Cimmerian, black-haired, sullen-eyed, sword in hand, a thief, a reaver, a slayer, with gigantic melancholies and gigantic mirth, to tread the jeweled thrones of the Earth under his sandaled feet.

---- Behold the pain and sorrow of the world, Dream of a place away from this nightmare. Give us love and unity, under the heart of night. O Death, come near us, and give us life!

Olá, o meu nome é...

Sou o Ricardo (Madeira), a um mês e pouco de fazer 30 anos, e também ando ando nisto há uns 16/17 anos. Há umas alturas em que mestro mais, outras em que jogo mais, mas no final acho que o jogador vai ficando a ganhar umas horas ao mestre. De resto, até me faz alguma confusão aquelas pessoas que dizem que só gostam de mestrar e, ou praticamente se recusam a jogar, ou já não jogam há vários anos.

Como Mestre o meu maior problema é mesmo a falta de concentração *entre* sessões; eu sei que devia organizar as minhas notas, eu sei que devia reflectir sobre os eventos das sessões passadas e ponderam planos para o futuro, eu sei que devia preparar as minhas munições e ter um conjunto de coisas para atirar para cima dos meus jogadores, eu que devia fazer isto tudo e muito mais... eu sei... mas na prática chego ao início da próxima sessão e não trouxe nada, tenho de andar ali a empatar durante um quarto de hora enquanto penso em algo à pressa para abrir as hostilidades.

É uma pena, porque se as sessões costumam ser bem boas, não me sai da cabeça o quanto melhores poderiam ser se eu me tivesse preparado e não precisasse de fazer tudo em cima do joelho nem improvisar sem ter uma rede de segurança recheada de ideias já semi-desenvolvidas.

Tenho de superar isto e voltar à minha forma antiga.

Felizmente noutros casos, as sessões correm tão bem e os jogadores mostram-se tão activos entre elas não deixando o interesse e as memórias morrerem que é impossível eu não ir para a cama todas as noites a pensar naquilo e nas maldades que posso fazer a seguir.

Olarecas, mi nombre és...

 Olá, o meu nome é João, mas sou mais conhecido nestes mundos de fantasy e roleplay como Mael, JB_Mael ou Maelwys. Tenho 25, quase 26 feitos e sou de Almada, deserto pitoresco e mui agradável da Margem Sul do Rio Tejo. 

 A minha iniciação AO VIVO aos jogos de roleplay não foi há muito tempo atrás, não vos sei dizer quando exactamente mas penso que foi depois de 2000. Eu já ouvia falar de roleplay e de AD&D sobretudo desde pequeno, já tinha algumas coisas em casa e devorava toda a espécia de informação acerca disso que conseguia apanhar em livros, jornais, revistas e televisão. Infelizmente só muito tarde na minha vida (relativamente falando, claro, lol) é que consegui jogar D&D pela primeira vez, que foi o meu primeiro contacto com jogos de roleplay. 

Hoje em dia sou DM de D&D 3.5 algo alternativo (com cheirinhos de outras coisas que fui lendo e experimentando ao longo dos tempos). Tenho apenas uma campaign de longa duração em curso, que me leva muito tempo e muitas horas de preparação. Jogo como PC nalgumas campaigns, nenhuma delas de longa duração (para mim, longa duração é um mínimo de 10 sessões com regularidade ao longo de pelo menos 6 meses).

Sou um fã quase incondicional de jogos de roleplay e apesar de estar a concluir um curso extremamente trabalhoso e ter variadas actividades para além disto, acredito que vou continuar a jogar roleplay até muito tarde na minha vida. Como já disse, sou um fã incondicional.

 

Quanto a dificuldades dentro das sessões... Sinto que o mais difícil é não me esquecer de ser descritivo com qualidade em eventos que se passem muitas horas depois do início da sessão. O cansaço mental e a fadiga dificultam imenso a manutenção do nível qualitativo de certas partes da tarefa de um Dungeon Master. E enquanto que a imaginação e criatividade se mantêm facilmente, porque estão constantemente a ser estimuladas pelos PCs e pelo setting, a capacidade de ser perfeccionista nos pequenos pormenores vai-se perdendo à medida que se perde a frescura mental.

Tirando este ponto, há dificuldades que penso serem comuns a toda a gente, mas este que referi não o consigo resolver, por mais que tente e invente soluções. Se alguém tiver conselhos, agradeço imenso. :)

Hum

Olá, sou o Rui!, mais conhecido como Rui, ou Anselmo para os amigos. Às vezes chamam-me Aquilo, mas só quando estou bêbado.

Já ando nisto há mais tempo do que sei escrever e andar, ou mascar pastilha. Contas feitas, acho que há mais de 20 anos.

Curto mais ser GM do que jogador; quando sou jogador, a veia de GM vem ao de cima e espalho o caos e a confusão por onde ando, o que motiva as queixas do pessoal, e a minha fama cresce e espalha-se como um cancro, tanto que já se avisam potenciais GM's para terem cuidado comigo, ou campanhas acabam sequer antes de começar - está provado!

Agora, como tenho muitos jogos e pouco tempo, gosto de coisas simples, com pouca preparação; mas, se têm muita preparação, leio as coisas básicas e avanço com improvisos atrás de improvisos, reagindo ao que os jogadores metem na mesa.

O meu setting de eleição é o do Exalted, a minha campanha preferida foi uma de Mutants and Masterminds, neste momento estou a ser GM de Fading Suns, e estou à espera que saia o Iron Age para o poder jogar.

Gosto de pensar que sou criativo, e tenho sempre 4 ou 5 jogos debaixo da asa em construção. Alguns já foram testados e tudo (The 101, In Extremis em colaboração com o Mariano), outros ainda estão pra sair da gaveta.

Bom, é isso, parece-me.

Qualquer coisa, sabem onde estou.

--~~--

To crush your enemies, to see them driven before you, and to hear the lamentations of their women.
-Noddy, Lord of Darkness

A escrever: down*town, tech-noir rpg
Proto Agonístes um rpg de auto-descoberta, de um personagem e vários jogado

benvindos a todos

Agora que o nosso grupo se transformou numa secção do forum, estamos abertos a todos os membros e comentários.

Eu tenho estado a introduzir lentamente vários tópicos, mas isso não quer dizer que tenham de esperar por mim. Encham o forum com os vossos posts! :)

O JB_Mael já referiu um possível assunto, a fadiga e a dificuldade de concentração do mestre-jogo quando, constantemente, é ele o centro das atenções. 

Olá

 

Sou o João e comecei a mestrar há cerca de 22 anos, com o velhinho DragonQuest (da SPI).

 

Desde então, tenho jogado alguma coisa, mas sobretudo mestrado, embora não o faça regularmente já há alguns anos – com a excepção de WFRP.

 

Os jogos que conduzi durante mais tempo, em campanhas longas, foram DragonQuest, Advanced Dungeons & Dragons, primeira e segunda edições, DnD 3.0 e mais recentemente, a segunda edição de Warhammer Fantasy Roleplay.

 

Pelo meio joguei coisas como Dungeons & Dragons (sim, a red box), Judge Dread, Marvel Super Heroes (TSR), a primeira edição de WFRP, Paranóia, Call of Cthullu, RuneQuest, DnD 3.0, e outros que ficaram esquecidos. Mais recentemente diverti-me muito a jogar The Shadow of Yesterday e Dogs in the Vineyard, com o Diogo (RPL) e o João (JMendes) como mestres.

 

O meu grande problema é mesmo a falta de tempo para reunir os meus velhos companheiros de campanhas na mesma hora e local, dados todo o tipo de compromissos a que a vida adulta parece nos obrigar.

 

Dado este problema, e para grande pena minha, vejo-me hoje em dia mais como um coleccionador de jogos do que um jogador. – Tenho inúmeros jogos na minha colecção que adoro mas sei provavelmente não vir a ter tempo para jogar.

 

No entanto, espero voltar proximamente às lides. Um dos meus sonhos mestrar (e/ou mesmo jogar) uma campanha de Burning Wheel (possivelmente no Japão medieval). A dificuldade será encontrar um grupo de jogadores simultaneamente dedicados, tolerantes e com disponibilidade para enfrentar tamanha façanha.

DMing

Ola a todos, o meu nome é Renato, tenho 35 anos. Sou do Seixal, Almada (Margem Sul).

Sou DM de Dungeons & Dragons desde 1991. Ha quase 2 anos nasceu o meu filhote e desde então reduzi para 10% o tempo que consigo ocupar com o Dungeons&Dragons.

Tenho uma campanha de longa duração desde 1998, que esta parada ha 1 ano, mas quase a recomeçar :)

Tenho em mente construir um "mundo" em Dungeons&Dragons, ja tenho as ideias e o projecto mas... falta o click para começar!

Nas Escolas onde dou aulas reuno sempre um grupo de alunos(as) e formo uma party. Quase todas se têm vindo a perder com o tempo.

Gosto de jogar D&D mas tenho dificuldade em arranjar DM.

Quantas mais sessões faço, mais percebo que posso melhorar mais qualquer coisa e que estou longe de ser um bom DM.

 

Hmm...!

Feldon Harmafara escreveu:

Nas Escolas onde dou aulas reuno sempre um grupo de alunos(as) e formo uma party. Quase todas se têm vindo a perder com o tempo.

A sério? Eu também sou professor/formador e estava a pensar em fazer nisso no centro onde trabalho! Não queres elaborar? Tipo num thread à parte relatares as experiências que tens tido e as dificuldades que tens enfrentado? :)

"Se alguma vez sou coerente, é apenas como incoerência saída da incoerência." Fernando Pessoa

sopadorpg.wordpress.com - Um roleplayer entre Setúbal e Almeirim
Ludonautas Podcast - Viajando, sem nos movermos, pelos mundos do RPG

D&D à maluca!

As vezes chego a bares ou cafés de amigos, levo a minha caixa base de D&D 3.0 + DM Screen escolho 4 manfios ao acaso e faço uma ou duas aventuras :)

Tens "caixas base" dos jogos de RP que gostas? Experimenta fazer isso :)

Boas

O meu nome é Rodrigo embora sejam poucas as pessoas que assim me tratam, preferem Darian va-se la saber porque :P tenho 20 anos e sou de Linda-a-Velha no belo conselho de Oeiras.

Ja sou fã de roleplay à varios anos tendo começado porem pelos jogos de computador (Baldur's Gate por exemplo), um amigo depois mostrou-me uma caixa que ele tinha de ad&d e eu fiz negocio para ficar com ela, assim inicei-me aos roleplays de p&p ainda na epoca do thac0.

Neste momento faço parte de cerca de 4 campanhas como jogador e DM de uma que comecei à duas semanas e que espero que seja de longa duraçao. Não sou muito experiente como DM mas pelos relatos dos meus jogadores (inclusive ali do senhor JB Mael em cima que é um dos meus jogadores e DM noutra campanha) estou a melhorar bastante.

There is a future where i see only shadow and myst

Feldon_harmafara: para já,

Feldon_harmafara: para já, saudações a um colega roleplayer da margem sul! Somos poucos, mas somos bons! (lol...)

Quem me dera que nas minhas antigas escolas ou faculdades houvesse um professor que estimulasse os alunos para jogar coisas desse género. Pergunto-me se esses rapazes e raparigas fazem ideia da sorte que têm? Da raridade que é esse previlégio? Ai, que inveja... :P

Já agora, não sei se viste mas houve sugestão de tentar reunir a malta da margem sul que joga roleplay, num outro thread +- recente aqui no portal. Eu continuo a achar que seria muito positivo fazê-lo, quem sabe arranjas DM  para ti e os teus antigos companheiros de velhas guerras, ou vice-versa. Quanto à criação de "um mundo", acho que deves ir em frente e tentar lançá-lo, decerto terás apoio qb por parte da comunidade. Por mim, voluntario-me já para prestar ajuda da forma que precisares. Cheers!

 

Darian: bem vindo, hehe. Eu também só começei a postar neste portal mto recentemente. E sim, a tua recente campaign está a subir de nível em relação ao que fazias antes, espero que continue. :)

 

para todos: alguma dica para conseguir resistir à fadiga mental que se apodera dos DMs passadas várias horas de sessão?  Coisas tipo voodoo, bebidas manhosas, etc...? :P 

 

temos assunto

JB_Mael escreveu:
para todos: alguma dica para conseguir resistir à fadiga mental que se apodera dos DMs passadas várias horas de sessão? Coisas tipo voodoo, bebidas manhosas, etc...? :P

Tomei a liberdade de iniciar esse tópico por ti :) Respondam aqui, pessoal!

Thanks!

Obrigado!

Vou começar a meter pedidos de ajuda no Forum de Mestres de Jogo.

Sim, um encontro de RP em Almada parece-me importante, vamos ver o que se consegue fazer!

Abraço!

Se a ideia for um esforço

Se a ideia for um esforço colaborativo, lembrem-se que podem usar aqui os "livros", que são um género de wiki, que as pessoas podem editar, acrescentar, organizar, etc.

Boa sorte!

Olá, sou o Eduardo e

Olá, sou o Eduardo e comecei a mestrar à cerca de 1 ano e meio com sessões bastante irregulares.

Comecei e manti-me na minha crónica de (new)World of Darkness, um pseudo-épico que tenta focar a tragédia da vida humana e um certo horror, que começou na lenta aceitação de que o grupo de amigos aparenta ser mais do que humano, (quero tentar manter um ambiente do género de call of cthulhu, dentro da ficção de wod) sem passar a fina linha para o jogo de 'festa de poderes' apesar de ter um grupo invulgar, com personagens werewolves e mages (entre outras 'coisas' - não me posso alongar pois tenho jogadores que visitam o fórum, mas estou a usar versões adaptadas dos corebooks), com histórias realmente individuais (conseguidas através de sessões individuais) onde os persongatens se podem desenvolver e perseguir objectivos pessoais relativamente distantes do resto do grupo.

Gosto de mestrar através do improviso e adaptação de situações pré-scriptadas conforme onde os jogadores me levam. Regra geral não tenho particular prazer em comandar os passos ao grupo, e normalmente não suporto meta-thinking.. em particular nas minhas sessões, que tenho como objectivo ser algo pseudo-realista. Agora quando eu me conseguir dedicar a algo como scion pa ser uma festa de pancadaria isso provavelmente vai mudar! ;)

storyteller

Garrison escreveu:
Olá, sou o Eduardo e comecei a mestrar à cerca de 1 ano e meio com sessões bastante irregulares.

Benvindo ao forum, Eduardo. Tens aqui muitas discussões em aberto sobre a nobre arte de mestrar.

Que tal tem sido a tua experiência como mestre-jogo até agora? Alguma dificuldade que queiras destacar? Ou abordagem diferente que esteja a correr bem?

a minha primeira vez de mestrar

Olá...

Eu nunca mestrei um jogo, e "obrigaram-me", agora mestrar um... lol

Neste momento só tenho os livros/jogos, do WoD tanto do antigo como do novo (do novo só tenho aind ao Vampire the requiem, mais o livro base World of darkness).

Mas tou sem idéia, tava a pensar a usar o demo da "Dance de la Mort", mas como como aquilo, parece-me, que só dá para jogar, 4 ou 5 personagens (não me recordo agora).

 

a outra idéia que tive, fou basear no jogo Vampire: the Masquerade - Bloodlines...

Mas mesmo assim queria uma ajudita...

a campamnha será com 2 ou 3 personagens.

Já agora o mestre/narrador, pode também participar, criar uma personagem?

Saudações!...