Crom...

Conan RPG da Mongoose pode bem estar morto. Num gesto confuso para dizer o menos, os proprietários dos direitos de autor das obras de Conan impediram a Mongoose de publicar um systemless atlas de 13 volumes com 200 paginas cada da Hyborian Age, mais a conversão do RPG para RQ e Savage Worlds.

https://www.mongoosepublishing.com/phpBB2/viewtopic.php?t=41071

Não devem ser direitos de autor, devem ser copyrights. A diferença é substancial, os primeiros correspondendo à filosofia europeia continental de defesa da integridade da obra e do seu autor, os segundos á filosofia americana de defesa dos interesses económicos de quem se aproprie da obra que raramente é o seu autor.

Seja como for, é triste. Mas há uma questão que se me colocou há algum tempo e que nunca coloquei verdadeiramente, daí aproveitar esta oportunidade: têm estado a ser publicados livros do Conan entre nós. Os tradutores e editores pagaram alguma coisa em termos de direitos ou são histórias que já cairam no domínio público?

De qualquer das formas, 13 volumes de 200 p., é de loucos. A não ser que estivessem a procurar atingir um público mais alargado do que o dos jogadores de rpg. Afinal, se se vendem tantos atlas da Terra Média, porque não da Hibória? Com a vantagem acrescida de que poderia atrair para o rpg gente que nunca se cruzou com este.

Penso que a ideia seria precisamente essa, pelo menos o autor dos atlas aponta nesse sentido (segundo citação dele num thread da RPGnet). A ser assim seria um plano ambicioso mas com imenso potencial, é pena que tenham tirado o tapete à Mongoose... ou pode ser que os proprietários dos direitos de autor se tenham dado conta precisamente disto - que os direitos cedidos para rpg estariam a ser utilizados para atingir um mercado de outra natureza - e não tenham gostado da ideia.

Sérgio Mascarenhas

Já 'tava a contar com mais uma estrelinha na constelação de Savage Worlds e afinal vai tudo abaixo?

De facto, estava convencido que já não se aplicavam quaisquer direitos ao Conan. Não está já toda a obra disponível gratuitamente?

Ao que dizem no thread na RPGnet os direitos da obra de Howard entram no domínio público definitivamente em 2011. Até lá suponho que só as suas obras mais antigas. No entanto Conan está envolvido num enredo infindável de sequelas obra de outros autores que essas não estão no domínio público. Ora muitos dos detalhes do universo de Conan foram desenvolvidos nessas obras pelo que deve ser um bico de obra definir quando é que se está a trabalhar com os contributos de Howard ou quando é que se está a trabalhar com os contributos de outros. Será sempre questão disputada e quem quiser bloquear - os donos dos direitos de Conan - pode sempre bloquear, mesmo que não tenha razão.

O caso será diferente entre nós. Aqui há que contar com os direitos à obra de Conan que já será em parte do domínio público, pelo menos no que respeita aos contos mais antigos, e o será totalmente a partir de 2011. Mas há também que contar com os direitos às traduções que foram feitas recentemente, caso se queira usar estas. Quer isto dizer que é possível fazer-se um rpg ou suplemento para um rpg em português baseado nas obras de Conan, caso alguém esteja para aí virado...

Sérgio Mascarenhas

[quote=smascrns]Quer isto dizer que é possível fazer-se um rpg ou suplemento para um rpg em português baseado nas obras de Conan, caso alguém esteja para aí virado...[/quote]É bem, mas com certas restrições, certo? A menos que se negoceie com quem fez as traduções, esses textos em português não podem ser citados e todo o jogo tem de ser baseado na obra do Howard e nada pode coincidir com variações feitas entretanto por outros autores, é isso? De qualquer forma, é sempre possível criar um RPG num ambiente igualzinho ao de Conan sem ser expressamente Conan :) O nome dá jeito pela publicidade e pelas referências que se pode usar para suportar o setting.

Sim, não fui claro quanto a isso mas a utilização da tradução teria de ser autorizada pelos tradutores. Quanto à não utilização de variações de outros autores, é uma questão secundária pois como essas obras não estão traduzidas nem divulgadas entre nós (*), também não faria sentido incorporar as mesmas num Conan português. Passa-se aqui um pouco o que sucede com o Citizen Kane do Olivier Legrand. Ninguém o foi chatear por ter publicado o jogo, tanto mais quando este é grátis.

(*) Excepção feita, é evidente, à publicação em português de bandas desenhadas do Conan e dos filmes com Schwarzneger, é certo.

Sérgio Mascarenhas