El Grande + Goa + Puerto Rico + Thurn and Taxis + Alhambra + Samurai + Memoir '44

Decidi partilhar convosco a opinião de um novato nos Boardgames sobre estes jogos.

El Grande: Foi, de todos os jogos, o que mais me agradou. Talvez pelo tema em si,um jogo de influência política desenrolado nas regiões da actual espanha, talvez também por podermos lixar os outros ( e isso é sempre um aspecto MUUUUITO positivo ;-D). É simples aprender a mecânica do jogo, mas são precisos vários jogos para nos tornármos um pouco melhores do que medíocres na arte de bem jogar. É engraçado ver que alguns jogadores têm o seu próprio estilo ( não é assim Vasco??) e fico à espera que chegue a versão com as expansões para o comprar. É dificil apontar defeitos a este jogo.
Classificação: 10/10

Goa: Só fiz um jogo e não correu muito bem ( algumas dúvidas nas regras e cometemos um pequeno erro no desenrrolar do jogo). É um jogo "aberto", em que conhecemos bastante o jogo dos adversários ( os mapas estão à vista de todos e quem quiser/conseguir saber qt dinheiro e quantas cartas de cada tipo tem cada jogador pode fazê-lo). Fiquei com muito boa impressão e espero jogá-lo novamente para perceber qual a melhor abordagem ( barcos, colonos, acções, expedições).
Classificação: 8/10

Puerto Rico: Comprei-o e joguei ainda somente uma partida com humanos e algumas contra o PC ( está disponível no boardgamegeek). É muito bom, com muita interactividade e sem tempos mortos com um jogador assume um "papel" e todos o desempanham a seguir. Parceu-me que é preciso ter muito cuidado com o que o jogador à nossa direita planta e constrói. Fiquei com o "Café" estragado pq o meu antecessor também estava a fabricá-lo. Parece-me que o melhor é não plantar o mesmo que o jogador que joga imediatamente antes de nós e que se o fizermos devemos ter cuidaddo com o que construímos. Vou ter isso em atenção da próxima vez que jogar e ver como resulta.
Classificação: 9/10

Thurn and Taxis: Foi o que mais joguei por estar em demonstração na Runadrake. Confesso que não achei nada de especial. As rotas são fáceis de fazer ( só 2 vezes em meia dúzia de jogos vi alguém a descartar uma rota). Parece que de uma maneira ou de outra está lá a carta que precisamos). Fazer rotas só com 3 cartas torna relativamente fácil colocar as nossas peças nas várias regiões e ir colectando os bónus. Não sei, mas talvez se as rotas tivessem de ser com 5 cartas o jogo ficasse mais competitivo. Talvez seja só impressão minha...
Classificação: 5/10

Alhambra: É um jogo divertido, mas que depende um pouco da sorte nas peças disponíveis para compra e no dinheiro disponível. Não tem grande profundidade estratégica, mas é sempre divertido ver qual a melhor maneira de construir o nosso palácio. Não joguei com a expansão, mas pelo que vi dela pareceu-me que o jogo se torna mais interessante. A jogar de novo para assentar ideias...
Classificação: 6/10

Samurai: Um jogo muito simples, muito rápido de jogar, estimulante e com scores finais muito equilibrados. Um bom jogo, Vasco. Não tenhas dúvidas!!
Classificação: 8/10

Memoir '44: O único Wargame desta lista. Fiz 4 jogos, 2 em cada cenário, e não fiquei particularmente deslumbrado. Faz-me confusão que não se tenha bónus por atacar nos flancos e/ou rectaguarda, assim como me faz confusão que uma unidade com 25% da sua força inicial mantenha o mesmo poder de fogo. A utilização de cartas de acção coloca uma dose de sorte no jogo, mas isso pareceu-me um aspecto positivo. Terei de fazer uma batalha num cenário maior e mais equilibrado para entrar mais no jogo e talvez mudar de opinião.
Classificação: 6/10

O El Grande é sem duvida incrivel. É considerado por muitos como um boardgame fundamental a ter se se estiver a colecionar boardgames. Eu tive a sorte de comprar o El Grande á anitos com as expansões todas. O jogo fica muito mais interessante, para dizer o menos.

O Puerto Rico é que é considerado ainda o melhor boardgame tipo alemão jamais feito. Embora eu não considere assim, o boardgame é mesmo muito bom e um exemplo da arte de design de boardgames.

O Samurai é mesmo muito bom, um dos tile-laying trilogy do Knizia. Vê-se logo que quem fez o jogo é um matemático.

O Alhambra é fixe, mas não o teria escolhido para Spiel Des Jahres como foi escolhido. Houve melhores nesse ano.


Farewell, leave the shore to an ocean wide and untamed
Hold your shield high, let the wind bring your enemy your nightmare
By the bane of my blade, a mighty spell is made and
Far beyond the battle blood shall fall like a hard rain.

Olá Gonçalo,

EL GRANDE - No início eu não gostava de Area Control Games. E foi com este jogo que aprendi a gostar de jogos que usam esta mecânica. É de facto um belíssimo jogo. Mas à medida que fui conhecendo outros títulos e jogando mais jogos este foi ficando para trás. Agora os meus preferidos são LIBERTÉ, IM SCHATTEN DES KAISERS e YS.

GOA - É um daqueles jogos que toda a gente gosta. É bonito mas peca por ser demasiado linear e com pouco interacção (que só existe na fase de leilão - que é muito original). Um pouco à semelhança de PRINCES OF FLORENCE, cada jogador vai fazendo o seu jogo sem se chatear muito com os adversários. Ainda assim é o meu Rudiger Dorn preferido.

PUERTO RICO - É O JOGO! Quase perfeito em tudo. Não há muitas palavras para o descrever. Experimenta o CAYLUS´, que para mim só não é melhor que o PR, por ser muito mais complexo.

THURN UND TAXIS - Urge fazer aqui uma ressalva. TuT não é claramente um Euro Game, é mais um family Game com uma forte componente táctica, e como tal é um rico jogo. Joguei-o e gostei bastante. É diferente, mas se quiseres juntar um grupo de amigos non-gamers vais ver que terão todos uma agradável noite de diversão.

Os outros não os conheço, mas desses só o ALHAMBRA é que me puxa.

Um abraço e bons jogos

https://oblogdocosta.blogspot.com