Se o 25 de Abril não tivesse acontecido... Alguns jogos da minha colecção que seriam proibidos pela censura

Lembrei-me de fazer um exercício de “história alternativa” relacionado com o nosso hobby e com a data que amanhã se celebra, o dia da Liberdade, 25 de Abril.

É uma pequena brincadeira, mas nasce da noção que tenho de que muita gente está alheada do significado que a data tem, da gravidade das limitações que eram impostas à população antes da revolução e talvez ajude, através do potencial peso que um regime ditatorial poderia ter neste hobby a levar a uma reflexão mais profunda.
Deixando de lado ainda a posição ultra-proteccionista à “produção nacional” que procurava impedir a chegada de produtos internacionais aos consumidores portugueses, ou seja, as potenciais razões apresentadas para censurar estes jogos são do foro político e da “moral” do regime.

Não pretendo aqui ter uma discussão política, note-se, mas se quiserem falar sobre o assunto de forma civilizada, somos livres de o fazer. A beleza do Dia da Liberdade é, precisamente, essa…

A lista está mais ou menos ordenada por ordem decrescente do Geek Rating.

Um jogo sobre a revolta de populações colonizadas por uma potência europeia certamente que não passaria pelo crivo da censura… Não estou a o regime a ver com bons olhos um jogo em que o papel dos colonos não coincide com a ideia estapafúrdia de colonizadores “bonzinhos” que o Estado Novo queria fazer passar.

A visão algo cínica que este jogo tem do papel das grandes potências nas movimentações políticas globais seria difícil de aceitar pelo regime, creio… É difícil imaginar também que um jogo em que os comunistas podem vencer fosse facilmente permitido no mercado, ou mesmo que um papel dominante dos EUA, com uma posição crítica ao colonialismo dos outros (que o deles nunca os incomodou), fosse aceite sem questões.

Outro jogo com uma visão crítica do papel dos colonizadores europeus… E com uma localização geográfica não muito distante da Índia e das últimas praças do império português. Não creio que passasse…

Uma temática ultra-futurista onde um dos jogadores representa o papel de um semi-anarquista que tenta roubar informação a corporações supra-estatais também não deveria jogar bem com a imagem de cidadãos obedientes e submissos que o regime gostava de ter.

Ui! Portugal ali colocado no mapa como um pedaço de terra sem qualquer relevância? Nem pensar!!!

Imaginem lá um censor a ver este jogo sobre a construção de linhas ferroviárias de grandes dimensões na União Soviética… E nem um comunista a comer uma criancinha! Tsk, tsk… Isto ainda dá ideia de que um regime comunista pode realizar grandes obras! Um perigo!

e

Os jogos em si, ainda vá que não vá… Se bem que ajuntamentos de mais de quatro pessoas podem sempre ser reuniões subversivas, não esquecer!
As palavras tinham todas que ser revistas, claro! Talvez o mais fácil seja nem os deixar publicar…

e

Bruxaria, feitiços, magia? Hmmm… Não será boa ideia afrontar a santa igreja!
Ainda vão levar as nossas crianças para o satanismo!

Outro cuja temática é pouco simpática para regimes coloniais… E o fundo de todo o jogo, ainda que o papel dos jogadores seja de casas aristocráticas, é uma revolta. Nada disso!

Este serve como exemplo de muitos que seria certamente censurados por causa da arte… Se, num mundo muito mais livre, ainda subsiste um puritanismo que se ofende com a arte desta expansão, imaginem num Portugal preso à “moral e bons costumes” onde até as demonstrações públicas de afecto eram condenáveis.

Enfim, estes são só alguns exemplos de jogos que creio não serem possíveis de ter sem correr risco de uma condenação… E já nem falo no facto de que seria algo estranho, logo sujeito a investigação, que um homem adulto possa ter jogos de tabuleiro como hobby. Isso é um estigma que só agora começa a deixar de existir…

E a vossa colecção? Quais os jogos que lá estão que acham que vos poderiam levar a ter que responder a questões da PIDE, ou que nem sequer poderiam adquirir de forma legal? Qual o grau de “subversão” da vossa colecção?

25 de Abril, sempre!

3 Curtiram